Coisas que você vai ver (e ouvir, se já não ouve)

Na semana passada tive a oportunidade de me adiantar aos lançamentos cinematográficos dos próximos meses. E devo dizer que tive muita sorte. Vi três filmes diferentes entre si, mas intensos, criativos, revigorantes.
Comecemos com “The disappearance of Eleanor Rigby” – William Hurt e Isabelle Huppert ccomo coadjuvantes de luxo, e Jessica Chastain e James McAvoy vivendo os protagonistas. História de um casal que se separa depois de uma tragédia doméstica, trata-se de um dois em um, dois episódios pelos olhos dele e dela. Chastain é provavelmente a atriz mais talentosa de sua geração, a trilha (o trailer aqui) é das mais belas, e três ou quatro sequências nos faz lembrar o que buscamos quando topamos nos ausentar do mundo por três horas para assistir histórias de gente que não conhecemos.
“Whiplash” é o melhor filme sobre música em anos (o trailer aqui). Na verdade, o certo é dizer se tratar do melhor filme sobre obsessão nos últimos anos. E arte e obsessão são irmãs siamesas que a toda hora tentam morder o próprio pescoço. É a história de um jovem e talentoso músico num conservatório de ponta, e sua relação com um professor genial e carrasco. Oferece o melhor que a combinação boa música e boas imagens pode oferecer.
“Birdman”. Apesar de adorar o “Beetlejuice” de Tim Burton, nunca fui muito fã do Michael Keaton (sua escolha para Batman é um dos maiores mistérios recentes da humanidade). Também não sou grande fã de Alejandro Iñárritu, o mexicano que dirigiu o excelente “Amores brutos”, antes de se perder nos panfletos filmados que fazia junto com seu parceiro roteirista Guillermo Arriaga (um tremendo mala sem alça). Para sorte do Iñárritu a parceria acabou e agora ele pode se soltar. “Birdman” é um achado (o trailer aqui). Um ator que fez muito sucesso como o herói de uma dessas franquias cinematrográficas de cartum (o Homem-pássaro do título), que resolve fazer uma montagem na Broadway, adaptando a obra de Raymond Carver. É difícil ler Carver e não tentar imitá-lo. Os mais sensatos, ou espertos, resistem à tentação e tratam apenas de homenageá-lo, como fez o Murakami em seu livro de corridas. É o que faz o mexicano. Em vez de adaptar para o cinema, o cineasta filma o que seria uma montagem de Carver na Broadway protagonizada por um ator sem nenhum crédito artístico. Edward Norton faz um dos atores da peça, um escroque para quem a vida só acontece no palco. Há ainda as ótimas Naomi Watts e Andrea Riseborough, mas por incrível que pareça (pelos menos para mim) é o Keaton quem brilha, num papel que emula um pouco sua trajetória. Filmaço para quem gosta de sair andando por aí com um filme na cabeça.

Uma nota para a próxima coluna: na semana que vem vou escrever sobre Carole King, mas se você não a conhece ou está com saudade, vale uma olhada neste documentário da BBC quando ela estava no auge.

Anúncios

Uma resposta para “Coisas que você vai ver (e ouvir, se já não ouve)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: