O homem que amava os livros

Zahar

A história do livro é vasta, intrincada, fascinante, sugando para dentro de seus meandros sinuosos os mais diversos campos do conhecimento, atraindo escritores e teóricos da literatura, tanto quanto historiadores e sociólogos. Editores são parte fundamental nesse processo de escolha e co-autoria (tantos são os livros que nascem do diálogo estabelecido entre o autor e aquele que o publica). Em tempos em que editoras se comportam como engrenagens burocráticas do capitalismo globalizado e anódino, é uma sorte conhecer a trajetória de um personagem como o fluminense Jorge Zahar, que mais do que batizar a editora que é referência no campo das humanidades no país, construiu uma das mais instigantes carreiras da história do livro no Brasil. O belo trabalho de Paulo Roberto Pires, mais do que organizar a trajetória do editor, funciona como um amplo painel do longo e complexo processo de profissionalização dos negócios editoriais no país. Um negócio em que paixões e intuições tantas vezes são mais certeiras do que planilhas e manuais de gerenciamento. Tratei de A marca do Z, biografia de Jorge Zahar, no Clube do Livro desta semana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: