Arquivo do autor:Zé Godoy

Contemporâneos, extremamente diferentes

No Clube do Livro das últimas semanas tratei do francês Max Jacob, cujo inédito “O gabinete negro”está saindo no país e de Franz Kafka em nova tradução de alguns de seus principais contos. 

Nascidos com menos de uma década de diferença, suas trajetórias não poderiam ser mais diversas, reforçando a pluralidade do imenso fluxo criativo que tomou a Europa entre o final do século XIX e começo do XX. Jacob, sobretudo poeta, é figura central  da geração das vanguardas que ocuparam Montmatre e Montparnasse, em Paris. Amigo e retratado por Picasso e Modigliani, estabelece-se como um ator social importante daquele período. Kafka, recluso e de circulação muito mais restrita em seus anos de vida, fez da investigação de suas próprias vivências (familiares, religiosas, sociais) material de sua obra magnífica.

Resta aqui um ponto de contato que os aproxima em chave dramática. Jacob, de origem judaica, converte-se ao cristianismo, dedica-se à vida monástica, mas não escapa da Gestapo. Kafka, que não chegou a testemunhar a ascensão de Hitler, lega ao amigo Max Brod a incumbência de destruí-la. Como sabemos, Brod o desobedece, escapando para a Palestina e possibilitando a nós, leitores deste século, possamos ter acesso a seus escritos.  Exemplos práticos do copo de dados da existência tão bem registrado por Jacob em uma de suas obras mais importantes.

 

 

Anúncios

“O túnel”, de Ernesto Sabato

sabato

Nesta semana tratei no Clube do Livro CBN, do livro de férias, o primoroso “O túnel”, do argentino Ernesto Sabato.

A biografia de Sabato, por si só, já daria uma história saborosa. Físico talentoso, passou por Paris e pelo IMT antes de ser tomado por uma crise vocacional. Largou tudo para morar numa casa pequena fora da cidade e dedicar-se à escrita. “O túnel” é resultado desse processo, mas nenhuma editora argentina topa publicá-lo. Acaba sendo acolhido pela revista Sur, de Victoria Ocampo, fundamental para fixar a ideia de literatura argentina que guardamos em nossas mentes.

“O túnel”trata de um crime passional, narrado pelo assassino, Juan Pablo Castel, que se propõe a contar “com inteira imparcialidade”o processo que o levou a tirar a vida de sua amante, Maria Iribarne. Estruturado em 39 pequenos capítulos, que internalizam uma forma de aparência simples, mas de feitio extremamente sofisticado, o que se oferece ao leitor é um profundo estudo sobre os mecanismos da mente, da vida que se passa na consciência enquanto são encenados os atos do mundo. Existencialista e desalentado, trata-se de uma crítica feroz à própria condição humana.

 

 


Frida Kahlo recepciona Trotsky no México

trotsky

No Clube do Livro desta semana tratei de Viva!, em que o francês Patrick Deville reconstitui os últimos anos da vida de Trotsky, a partir de sua chegada ao México, naquele momento transformado em pólo de atração de artistas e revolucionários.


Drummond, Suassuna e Pirandello

Drummond

Tratei nessas últimas semanas no Clube do Livro de três lançamentos importantes nesta reta final de 2017. Uma forma de saudade, que reúne parte do diário do poeta Carlos Drummond de Andrade; Romance de Dom Pantero no palco dos pecadores, inédito póstumo de Ariano Suassuna; e de Pirandello em cinco atos, coletânea de peças inéditas do Nobel italiano.


Um cidade futurista de homens solitários

Antes de convidar Eduardo Barillari para produzir o ensaio performático do “Encenações para uma novela russa”, tinha a ideia de escrever um livro sobre seu trabalho, algo que misturasse o ensaio e a ficção, tratando de elementos formais de seus trabalho, ao mesmo tempo dando voz a alguns dos seus personagens.

O projeto está em suspenso, quem sabe um dia eu me arrisque a retomá-lo em meio a tantos desejos que habitam a cabeça limitada pelo tempo e a lenta construção da escrita. Quem sabe.

O que pode ficar registrado aqui, e talvez sirva como sucinto roteiro de entrada para esse trabalho que mereceria uma explosão mais aprofundada dos críticos da arte fotográfica, é sua impressionante capacidade de captar a cidade contemporânea, em especial São Paulo, por meio de elementos sistematicamente deslocados do tempo presente e da apreensão humana. Na arquitetura atual, as megametrópoles parecem projetos de um futuro que nunca virá, e que nos inocula a sensação recorrente de deslocamento, de não pertencimento a este tempo/espaço (basta passar as catracas dos grandes edifícios comerciais atuais e acessar um de seus elevadores automáticos para que essa sensação se transforme em sintoma).

edu5

Ao mesmo tempo, e esse é outro elemento que Barillari registra com precisão, há uma espécie de solidão urbana resignada, uma determinada prática do instante. Coleções desses momentos, onde de alguma forma o homem contemporâneo, anônimo, controlado, monitorado e limitado por papeis sociais fixos, exerce a doce fantasia de um livre arbítrio passageiro. Não pretendo avançar mais. Não agora. As imagens haverão de dizer mais, e o olho sensível haverá de ver mais do que sou capaz de anotar nesses breves parágrafos.

edu6

Para mais informações sobre Eduardo Barillari: http://www.eduardobarillari.com.br / https://www.instagram.com/eduardobarillari/

 

 


“Encenações para uma novela russa”, trecho


O homem que amava os livros

Zahar

A história do livro é vasta, intrincada, fascinante, sugando para dentro de seus meandros sinuosos os mais diversos campos do conhecimento, atraindo escritores e teóricos da literatura, tanto quanto historiadores e sociólogos. Editores são parte fundamental nesse processo de escolha e co-autoria (tantos são os livros que nascem do diálogo estabelecido entre o autor e aquele que o publica). Em tempos em que editoras se comportam como engrenagens burocráticas do capitalismo globalizado e anódino, é uma sorte conhecer a trajetória de um personagem como o fluminense Jorge Zahar, que mais do que batizar a editora que é referência no campo das humanidades no país, construiu uma das mais instigantes carreiras da história do livro no Brasil. O belo trabalho de Paulo Roberto Pires, mais do que organizar a trajetória do editor, funciona como um amplo painel do longo e complexo processo de profissionalização dos negócios editoriais no país. Um negócio em que paixões e intuições tantas vezes são mais certeiras do que planilhas e manuais de gerenciamento. Tratei de A marca do Z, biografia de Jorge Zahar, no Clube do Livro desta semana.