Arquivo da categoria: Poemas

Febre no Leblon – Trecho

 


Febre no Leblon – Edição

Meu Febre no Leblon foi lançado pela coleção Megamíni, da Editora 7Letras. O que mais me atraiu no convite do editor Jorge Viveiros de Castro foi a possibilidade de ter uma das minhas obras circulando como um plaquete. Estas pequenas edições que desde o século XIX são parte fundamental na circulação da poesia. Ler um plaquete, escrever para ser lido num plaquete, é a chance de lidar com um objeto único (boa parte da primeira edição é numerada), confeccionado em caráter artesanal. Conscientemente, é um modo de se colocar à parte dos modos de produzir e circular objetos artísticos e culturais neste tempo em que tudo parece dominado pelo mercado.

Abaixo alguns detalhes da edição. Acima leio um trecho do poema e no link a página da 7Letras onde você pode encomendar seu exemplar.


Na reclusão de um quarto

Emily Dickson não era moça de sair por aí batendo pernas, gastando palavras. Fazia mais o tipo que a vizinhança chama de excêntrico (por aqui sempre se diz um doidinho ou doidinha da rua). Na amplidão de seu quarto, na Costa Leste da América, ela inventou seu mundo, comunicado em cartas e mais do que tudo nos seus poemas. Conta-se mais de 1800, destes, menos de uma dúzia circulou entre seus contemporâneos. Mas não se trata de alguém que produz esperando a posteridade. O reino de Emily é deste mundo, como fica bem claro no poema que transcrevo abaixo e traduzo sem lá muito método:

I had no time to hate, because

The grave would hinder me,

And life was not so ample

It Could finish enmity.

Nor had I time to love; but since

Some industry must be,

The little toil of love, I thought,

Was large enough for me.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Não tenho tempo para ódio, já

Que o túmulo me deterá

E a vida não é tão longa

Para terminar em rivalidade.

Nem tempo tenho para o amor;

Mas já que alguma ação é preciso,

A labuta do amor, penso,

Pra mim é tudo que preciso.